Página Inicial / Crônicas Espíritas / Os missionários carimbados
Os missionários carimbados PDF Imprimir E-mail
Escrito por Jayme Lobato   
Ter, 15 de Fevereiro de 2011 15:29

Na reunião de estudo na casa espírita, o tema em pauta é a obsessão. No momento, está sendo tratado o item "fascinação". Fala, então, Sérgio, coordenador do grupo:

- Diz Kardec, no item 239, de O Livro dos Médiuns, que a fascinação corresponde a uma ilusão criada diretamente pelo Espírito no pensamento do médium e que, de certa maneira, paralisa sua capacidade de julgar as comunicações.

Alice, nesse instante, entra no assunto:

- Sérgio, Kardec também informa, nesse item, que o médium fascinado não se considera enganado. Seu raciocínio fica limitado à influência do Espírito atuante.

E Teresa, na oportunidade, observa:

- O codificador ainda esclarece que, na fascinação, o Espírito consegue inspirar ao médium uma confiança cega. Essa confiança cega o impede de perceber a mistificação e de compreender o absurdo do que lhe é proposto como verdade.

- A ilusão, a que se vê o médium envolvido - esclarece Alice, é tão grande que pode chegar ao ponto de levá-lo a considerar sublime a linguagem mais ridícula e os conceitos mais absurdos.

Alice se lembra, então, de um caso de que tomou conhecimento e busca submetê-lo à análise dos companheiros.

- Uma antiga companheira espírita, a Marta, me contou que há um grupo de irmãos reencarnados no Brasil e que estão ligados entre si por fortes laços espirituais! Esse grupo, coordenado por determinado Espírito Superior, tem missão importante no Brasil.

- Mas, Alice, isso pode ocorrer - afirma Teresa. Há companheiros encarnados que se comprometeram com determinado trabalho dirigido por Espírito Benfeitor, com vista ao melhoramento espiritual do grupo.

- Mas, a questão, Teresa, não se resume só nisso. Falou-me a amiga que esses companheiros, antes de reecarnarem, têm seus perispíritos carimbados com um símbolo secreto, que identifica os participantes do grupo.

Diante do inusitado da informação, Sérgio exclama:

- Esse negócio de "carimbar" perispírito é muito estranho!

E, Teresa, surpresa com o assunto, pergunta:

- Mas, Alice, como é que eles se reconhecem aqui na Terra, já que os símbolos estão carimbados nos perispíritos?

- O carimbo - explica Alice - é certamente para identificação quando em espírito. Isto é o que eu acho, pois fiquei sabendo também que eles, no mundo espiritual, à noite, são treinados exaustivamente, pelos Espíritos Superiores, no sentido de adotarem um tipo de comportamento que os identifique no estado de vigília, aqui entre nós.

- Como assim, Alice?! - quer saber Teresa.

- Um dos carimbados segredou à Marta que, durante o sono, são todos treinados, no mundo espiritual, para adotarem um modo único e especial de falar, de gesticular, de se expressar, que os identifica aqui na crosta terrestre. No falar, usam, inclusive, determinados verbos e expressões que os tornam facilmente identificados.

- Já temos material bastante para avaliação - conclui o coordenador. Que acham vocês?

Fala, então, Eduardo:

- Estive ouvindo com atenção e considero, como já foi dito, possível a reunião, aqui na Terra, de companheiros, com vistas à execução de algum trabalho importante, proposto por Espíritos Superiores.

- Nisso, caro Eduardo - observa Sérgio, acho que todos estão de acordo!

- Claro! Até aí, tudo bem! - concorda Teresa.

- Acho estranho esse negócio de carimbar perispírito! - exclama Sérgio.Os Espíritos Superiores que tão bem conhecem as fragilidades humanas, em especial na área do orgulho e do egoísmo, será que proporiam medida dessa natureza, que tanto exacerbam o personalismo, o orgulho?

- Pelo andar da carruagem, daqui a pouco, teremos, no meio espírita, a turma dos "carimbados", formando uma elite missionária, que não admitirá ser questionada - adverte Eduardo.

Teresa apresenta uma questão:

- Estou a me perguntar: a título de que os Espíritos realmente superiores perderiam seu precioso tempo, treinando, à noite, no mundo espiritual, os irmãos encarnados, para que tenham, no plano físico, posturas semelhantes e que os identifiquem como os preferidos, os eleitos, os missionários?

- Bastaria - acrescenta Alice - ouvir ou assistir um deles que, praticamente, teríamos ouvido e assistido os outros. Seria uma espécie de clonagem de médiuns? Uma produção em série de médiuns-missionários!? Que acha, Sérgio?

- Aí, querida Alice, eu também deixo uma pergunta no ar, para nossa avaliação: com tanto sofrimento, tanta violência, tanta dificuldade que estamos passando, os Espíritos Superiores não têm mais nada a fazer?

- Enquanto, muitos outros Espíritos, nem tão superiores assim - assevera Eduardo, lutam pelo melhoramento moral do homem, estes ficam a carimbar perispíritos de seus pupilos e a submetê-los a treinamentos exaustivos, com uma finalidade tão fútil!

- Seria falta do que fazer, não? - questiona Teresa. O que, por certo, não é o caso dos Espíritos Superiores!

E, Sérgio, finalmente, propõe:

- Dado o adiantado da hora, deixo, sobre o assunto, as palavras de Kardec, para reflexão de todos:"Dissemos que as conseqüências da fascinação são muito mais graves. Com efeito, graças a essa ilusão que lhe é conseqüente o Espírito dirige a sua vítima como se faz a um cego, podendo levá-lo a aceitar as doutrinas mais absurdas e as teorias mais falsas como sendo as únicas expressões da verdade. Além disso, pode arrastá-lo a ações ridículas, comprometedoras e até mesmo bastante perigosas".

Eduardo, usando dos últimos segundos do tempo útil, assevera:

- No nosso meio espírita, vez por outra, aparece cada novidade! Nem parece que desfrutamos de uma Doutrina tão lúcida e tão coerente! Vigiemos e oremos, meus amigos, para que não venhamos nós cair nessas tentações!

Boletim de Agosto/2002

Última atualização em Qui, 12 de Maio de 2011 15:12
 

Reflexões Espiritistas

 
 

Pesquisar no Site

Educação Espírita

Educação Espírita Para a Família

CONHEÇA O NOSSO TRABALHO

SEMEANDO IDÉIAS

 
Leia aqui 
 
 

Movimento Espírita

 

Grupo Espírita Redenção - Andaraí - Rio de Janeiro, Powered by Joomla!